MUDOU PARA

MUDOU PARA
www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/
www.ralphlichotti.blogspot.com/

quinta-feira, 31 de março de 2011

O golpe foi no Dia da Mentira

O golpe foi no Dia da Mentira, diz a ABI 
A ABI reafirmou nesta segunda-feira, 31 de março, seu entendimento de que “o movimento militar que derrubou o Presidente constitucional João Goulart em 31 de março de  1964 não foi uma ‘revolução democrática’, como assoalham ainda agora seus defensores,  que se excedem em impropriedades de  caráter político e até cronológico: a sublevação vitoriosa não passou de um golpe de Estado, para cuja deflagração se associaram civis e militares, e  não ocorreu em 31 de março, e sim em 1º de abril, o Dia da Mentira”, assinala declaração divulgada pela Casa.

A ABI  afirma também que em torno desse movimento se criou “desde as primeiras horas de sua eclosão  um cortejo de falsificação histórica, para o qual contribuíram tanto os militares rebelados, com suas declarações hipócritas de respeito à ordem constitucional,  como os líderes civis que os insuflaram, os quais pretendiam ocultar e dissimular a verdadeira natureza do golpe”, diz a declaração, cujo teor é o seguinte:

“A Associação Brasileira de Imprensa não pode eximir-se do dever cívico e ético de contestar a atoarda feita por setores saudosos da ditadura em torno em torno do
movimento militar que derrubou o Presidente constitucional João Goulart em  31 de março de 1964, que não foi uma ‘revolução democrática’, como assinalam ainda agora seus defensores. Estes  se excedem em  impropriedades de caráter político e até
cronológico: a sublevação vitoriosa não passou de um golpe de Estado, para cuja deflagração se associaram civis e militares, e não ocorreu em 31 de marco, e sim  em 1º de abril, o Dia da Mentira.

É necessário sublinhar  que se criou desde as primeiras horas de  sua eclosão um cortejo de falsificação histórica, para o qual contribuíram tanto os militares rebelados, com  suas declarações hipócritas de respeito à ordem constitucional, como os líderes civis que os insuflaram, os quais pretendiam ocultar e dissimular a verdadeira natureza do golpe. .
Esses defensores da ilegalidade então cometida pagaram caro por seu desapreço às instituições democráticas, já que seus cúmplices militares tomaram o gosto de poder e
o tornaram privativo  dos detentores de fardas e alamares durante longo período, entre 1964 e 1985.

O que se viu nas duas décadas que se seguiram foi o arbítrio institucionalizado, com as cassações de mandatos e de direitos políticos de parlamentares, líderes sindicais e de lideranças intelectuais; a suspensão de eleições e sua substituição por formas   viciadas e antidemocráticas de provimento de cargos eletivos;a generalização das prisões sem  mandado judicial nem nota de culpa; a imposição do exílio, da demissão imotivada e do desemprego a milhares de brasileiros que até agora esperam por reparação e  desculpas por parte do Estado nacional; a transformação da tortura e do assassinato em práticas de governo; o desaparecimento e ocultação de cadáveres de vítimas da ditadura; a censura à imprensa e aos meios de comunicação em geral; a proibição de livros, filmes e peças teatrais. 

Para coroar esse conjunto de indignidades, o regime militar ocultou ou destruiu os registros  das torpezas praticadas pelos agentes do Estado, civis e militares, cuja revelação se impõe como requisito essencial para a construção de uma sociedade efetivamente democrática no País.

Rio de Janeiro, 31 de março de 2011. 

(a) Maurício Azêdo, Presidente.”

VALE DO RIO DOCE TEM O MAIOR LUCRO DA HISTÓRIA - 'VALEU PSDB!'


VALE DO RIO DOCE TEM O MAIOR LUCRO DA HISTÓRIA - 'VALEU PSDB!'
 (assinado, Roger Agnelli)

“A Vale do Rio Doce tem lucro de R$ 30 bilhões em 2010 -10 vezes o preço pago pela empresa na privatização [doação] decretada pelo governo FHC, em 1997.

Em tempo: a Vale era a Petrobrás dos minérios. Hoje, a riqueza mineral brasileira rende R$ 30 bi de lucros líquidos aos acionistas e a empresa paga apenas 2% de royalties ao país. 

Pior: um ano antes de privatizar a Vale, FHC desativou a única unidade de fabricação de trilhos existentes no Brasil, na CSN. Fez barba e cabelo: entregou a matéria-prima e inviabilizou uma importante área de agregação de valor. Hoje o país embarca minério bruto para a China e importa trilhos chineses para a expansão das ferrovias brasileiras.

Agnelli vai distribuir US$ 4 bi aos acionistas, mas se recusa a investir US$ 1,5 bi numa laminadora de trilhos no Brasil. O governo Dilma está discutindo uma nova regulação para o setor mineral”

Leila Márcia - A saída de Roger Agnelli da presidência do conselho de administração da Vale do Rio Doce é a notícia mais quente da semana.Agnelli, alta executivo do Bradesco estava sendo "fritado" há alguns meses e deverá ser substituído por Tito Martins, atual presidente da INCO, subsidiária da Vale no Canadá.

Esperamos que a saída de Agnelli possa refletir em uma mudança na política da empresa.A Vale, que foi privatizada em 96, em que pese os milhões gastos em propaganda, na prática pouco tem servido aos interesses do desenvolvimento nacional, a exceção do seu papel na balança comercial brasileira.
Apesar da Vale seguir privatizada, crescem as responsabilidades do governo federal na condução desta política, pois além dão Bradesco e da Mitsui (japonesa), o PREVI (fundo de pensão do BB) e o próprio BNDES podem e devem jogar papel maior para que a gigante mineradora jogue um papel maior no desenvolvimento nacional e no combatente às gritantes desigualdades regionais das quais a Amazônia tem sido vítima. 
Fonte: leilamarciapa.blogspot.com.

segunda-feira, 28 de março de 2011

SEM MOSTRAR A CARA PRA NÃO TOMAR TIRO NA CABEÇA




SEM MOSTRAR A CARA PRA NÃO TOMAR TIRO NA CABEÇA

Esta semana recebi o jornal mensal da Associação Brasileira de Imprensa entidade que sou filiado, e na capa veio falando sobre o PERIGO DA PROFISSÃO representada por uma foto de um repórter posando na frente de um canhão no Oriente Médio.

Presidenteeeee, RICARDO AZEDO não precisa gastar indo buscar foto fora, e só mandar alguém filmar sua própria cara e falar mal do Sergio Cabral e do Obama, pois postar num desses blogs gratuitos da net, é o suficiente pra correr perigo e tomar 3 balas na cabeça.

Foi assim que aconteceu com Ricardo Gama, autor de um blog na Internet em que faz críticas pesadas a autoridades estaduais e municipais, sofreu um atentado, em Copacabana. Ele foi atingido com três tiros na cabeça e um no pescoço, quando caminhava na calçada.

Para o delegado Bruno Giladerte, da 12ª DP (Copacabana ), a principal hipótese é de que o crime tenha relação com as críticas que Gama fazia na Internet.

É isso temos que aceitar calado

35 REAIS DE AUMENTO PARA O TRABALHADOR 
10.211 REAIS DE AUMENTO PARA OS REPRESENTANTES DOS TRABALHADORES

É isso temos que aceitar calado
OS ESTADOS UNIDOS APOIAR UM GOLPE MILITAR EM NOSSO PAÍS, PRA ROUBAR NOSSAS RIQUEZAS DURANTE VINTE ANOS.
DEPOIS TER QUE ESCUTAR DE UM DEMAGOGO O QUE A DEMOCRACIA UNE NOSSOS POVOS.
ESTAMOS CONTIGO RICARDO, CUSTE O QUE CUSTAR.

MOVIMENTO "NÃO TOQUEM NOS BLOGUEIROS"
Esse movimento pretende a adesão de todos que fazem ou lêem blogs e que agora sentem-se atingidos com a tentativa de calar um de nós, O BLOGUEIRO RICARDO GAMA.
Estamos marcando um encontro na próxima quarta feira dia 30/03, às 19 horas, na Praça do Bairro Peixoto perto do local onde tentaram assassinar Ricardo. É uma Proposta democrática, acima de partidos e ideologias, em defesa do direito de expressão! Participem! Divulguem!

RICARDO GAMA - Tributo a Um Herói Vivo !
http://www.youtube.com/watch?v=uoCmKY3gueA

RICARDO GAMA - Tributo a Um Herói Vivo !


Rio - O advogado Ricardo Gama, de 40 anos — autor de um blog na Internet em que faz críticas pesadas a autoridades estaduais e municipais, policiais e milicianos —, sofreu um atentado, na Rua Santa Clara, em Copacabana. Ele foi atingido com três tiros na cabeça e um no pescoço, quando caminhava na calçada. De acordo com testemunhas, os disparos foram efetuados por ocupantes de um Ford Ka prata.

O blogueiro foi socorrido por pedestres e levado para o Hospital Copa D'Or, onde passou por cirurgias. Até o fim da noite, seu estado de saúde era considerado grave. Para o delegado Bruno Giladerte, da 12ª DP (Copacabana), a principal hipótese é de que o crime tenha relação com as críticas que Gama fazia na Internet.

Se for comprovado crime político, será simplesmente uma afronta a democracia brasileira. E uma prova concreta que a ditadura continua, comendo pelas beiradas e agindo pelas sombras ...

Força Amigo !!!

Aquilo que não nos mata nos Fortalece !!!

A Luta Continua !!!!

Vida Longa Companheiro !!!!

És nosso Herói Vivo !!!

segunda-feira, 21 de março de 2011

OBAMA GO HOME! RIO DE JANEIRO


OBAMA GO HOME! - O Brasil inteiro acredita neste homem, desta vez será diferente, com toda certeza, ”Yes You Can” OU FINGIMOS QUE PODEMOS.


Não é atoa que EUA é a maior nação do mundo, manipula tudo e todos pra atingir seus interesses. Qualquer cidadão que foi torturado em uma ditadura militar; qualquer brasileiro que vive em território americano, ou que busca visto em seus Consulados e recebem tratamento discriminatório; qualquer grande empresário brasileiro que sofreu e sofre com um controle rigoroso da entrada e sobretaxa dos nossos poucos produtos que são exportados, sabem perfeitamente que tudo não passa de uma farsa imperialista, e que todos os atos de Obama no Brasil, foram estremamente estudados pra agradar a crítica e levar tudo o que conquistamos de melhor nos últimos anos, nosso respeito perante as outras nações do mundo.

Obama PERFECT, falou tudo que o brasileiro quis ouvir. Em Brasília falou de investimentos e dinheiro, perfeito.

No Rio depois de seguir o já famoso roteiro do populismo que tem passagem obrigatória pela Cidade de Deus e Cristo Redentor, mandou sua mulher agradar os gregos do carnaval, e foi agradar troianos no teatro municipal.

Por coincidência desceu na gávea e posou para fotos com a camisa do Flamengo, depois como se ele entendesse muito de futebol bateu bola com crianças pobres e iniciou seu discurso pra grã-finos, falando que seria breve pra não atrapalhar o jogo do Vasco contra o Botafogo.

Contou sua velha história da Vovozinha que amava o carnaval e as belezas do Orfeu carioca e jogou o veneno da parceria pra fazer as obras da Copa e das Olimpíadas no Rio de Janeiro.

Depois para agradar o governo e os intelectuais, disse que o EUA e Brasil não são parceiros apenas na cultura e no comércio, porque ambos acreditam na democracia. E foi aplaudido de pé ao falar de Lula e Dilma Rousseff, explicando que a ditadura militar no Brasil foi um absurdo que atrasou o “país do futuro”.

Opa! SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU, que seu país imperialista foi o maior patrocinador não só da ditadura brasileira, como de centenas de ditaduras espalhadas por todo o globo terrestre, mas principalmente na América Latina e África subdesenvolvida, algumas por sinal existente até hoje, por não desrespeitar seus interesses econômicos.

SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU do recente apoiou o golpe em Honduras, que ele ampliou a presença de tropas dos EUA no Afeganistão e protela a retirada das tropas do Iraque.

Ao falar “por isso as empresas americanas também querem ajudar a construir e preparar o a cidade para o sucesso olímpico”, SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU do rigoroso controle da entrada dos produtos brasileiros e da sobretaxa imposta a eles, e que seu país exerce não cede em negociações bilaterais há mais de 50 anos.

SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU do bloqueio imposto a Cuba de natureza extraterritorial e de violação ao Direito Internacional e das regulações internacionais de comércio e que ele ainda não desativou a prisão de Guantánamo, palco de torturas em território cubano; ou que o USA enviou e enviam milhões de jovens pobres, para morrerem em conflitos de cunho comercial como o do Vietnã, Coréia e de vários países árabes.

Ao falar de produção de energia limpa e das questões ambientalistas SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU que seu país figura entre as nações mais poluentes do planeta seu projeto de energia nuclear encontra-se em plena expansão e foi o único a não se retratar depois do atual acidente no Japão.

SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU que seu país reescreveu o capítulo da intervenção no mundo, e que capitania e arrastam fortunas dos países em conflito, para enriquecer americanos, a custas de sangue internacional, com material bélico, armas químicas e atômicas.

Ao falar que “nossas duas nações também podem ajudar a defender a segurança de nossos cidadãos. Buscamos o objetivo de um mundo sem armas nucleares” SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU que o seu país tem o maior arsenal de armas nucleares do planeta, e que embora EUA tenha apoiado e se beneficiado da fidelidade dos militares que comandaram o país por mais de 20 (vinte) anos, eles nada fizeram pra ajudar estes ditadores militares a proteger nossas fronteiras, ao contrario, por saber que o Brasil é um dos países que possui muitas das principais tecnologias necessárias para produzir armas atômicas, ajudou a renegar o direito de o Brasil ter armas nucleares, sob os termos do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.

SERÁ QUE OBAMA SE ESQUECEU OU É PORQUE PRA COMPETIR COM A CHINA QUE JÁ SE TORNOU A MAIOR POTÊNCIA MUNDIAL, ELE PRECISA VOLTAR A EXPLORAR AS NOSSAS RIQUEZAS NATURAIS (ÁGUA, MINÉRIOS, PETRÓLEO, AMAZÔNIA) E A DESCOBERTA DO PRÉ-SAL.

quinta-feira, 17 de março de 2011

DISCURSO PROFERIDO NA OAB EM MARÇO DA 2010


Discurso de paraninfo da OAB de Niterói


Boa noite, peço desculpa a todos mas não vou iniciar com frases poéticas e citações de grandes juristas, vou quebrar o protocolo e iniciar fazendo uma pergunta idiota.

Por que estamos aqui hoje? Por que as senhoras estão usando, em sua maioria, sapatos de saltos altos, belos, porém desconfortáveis. E boa parte dos senhores, ternos e gravatas que apertam o pescoço de todos.

Simples, por que todos sabem que entraram aqui estudantes e bacharéis, e após receber seu passaporte, saíram daqui profissionais do direito.

Para quê nós advogados estudamos anos a fio, e agora temos vestir estas roupas quentes e complicadas, embora muitos de nós preferíssemos estar usando roupas confortáveis e bermudas. Porque Todos estes sacrifícios?

Porque, nós não salvamos vidas, não combatemos doenças, nem desenvolvemos técnicas de cirurgia, que permitem, até, alguns ficarem mais bonitos, como os médicos.

Nós não desenvolvemos programas e sistemas de informações, não projetamos redes de computadores, nem criamos os malditos vírus.

Nós não produzimos alimentos, para matar a fome de milhões de brasileiros e saciar desejos das mulheres grávidas.

Nós não somos engenheiros e arquitetos, que constroem pontes, estradas e lindas casas que nos protegem do tempo e de nós mesmos.

Porém é difícil imaginar o trabalho de qualquer um destes profissionais, no mundo atual, sem a nossa ajuda e o nosso trabalho

Nós estivemos em quase todas as situações críticas da história da humanidade, não consigo imaginar um evento nestes tempos modernos que não contarão com a nossa participação.

Não temos a satisfação dos obstetras de trazer novas vidas a este mundo ou de fazer bater um coração de alguém já falecido no peito de outra pessoa. Mas nós garantimos o direito à vida, a liberdade.

Não desenvolvemos novas tecnologias e sistemas, nem matamos a fome de ninguém, mas nós garantimos o direito autoral, e o respeito à lei da propriedade privada e de uso coletivo.

Nós não abrimos estradas e o produto do nosso trabalho não é algo palpável como uma casa. Mas moldamos a sociedade, o estado democrático de direito, e o respeito à cidadania que é o resultado histórico de todo um processo de lutas, avanços e conquistas do homem.

Estamos vivendo hoje no Brasil a chamada “era dos direitos”.

Mais não foi sempre assim, o grande filosofo Hegel dizia que “o resultado é inseparável do processo que o criou”, ou seja, só conseguimos explicar o que acontece hoje se fizermos uma profunda análise sobre o passado. Logo, só seremos verdadeiramente livres e independentes quando conhecermos a realidade que vivemos e, para isso precisamos conhecer a história da sociedade em especial da sociedade brasileira e para provar a importância do advogado e que este esteve presentes em todos os eventos da história BRASIL, vou contar toda a história do Brasil em cinco minutos narrando apenas dez atos jurídicos.

O 2° ATO JURÍDICO - ocorreu em 1500 quando os portugueses fazendo valer-se do TRATADO DE TORDESILHAS chegaram ao Brasil e o colonizaram e não o descobriu como diz alguns livros (pois há cálculos em que havia de dois milhões a quatro milhões de habitantes no Brasil nesta época.

O 2° ATO JURÍDICO - ocorreu quando a partir de 1530, por razões mais políticas que os portugueses resolveram iniciar a colonização e com falta de recursos financeiros a metrópole (Portugal) optou por implementar o sistema chamado de CAPITANIAS HEREDITÁRIAS. Onde o governo português dividiu o território em 14 faixas lineares entregou a doze burgueses Donatários transferindo a estes os custos da colonização para particulares.

As Capitanias fracassaram, mas conseguiram cumprir seus objetivos que era firmar a colonização impedindo a perda da terra para invasores.
                                 
O 3° ATO JURÍDICO - ocorreu por volta de 1850, que os portugueses começaram a perceber que era viável explorar a Colônia, daí a Coroa portuguesa teve a idéia de centralizar a administração da Colônia. E instituiu o GOVERNO GERAL.

No final do século 18 haviam com o sucesso da Revolução Francesa, o liberalismo e as idéias iluministas se tornaram uma ameaça para as monarquias absolutistas. Napoleão Bonaparte instaurou o Bloqueio Continental e ameaçou invadir Portugal, forçando a vinda da família real para o Rio de Janeiro.

Terminando o risco de invasão o Rei Dom João VI, com medo de perder o reinado em Portugal voltou às pressas para Portugal, porém deixou seu filho, que posteriormente declarou a Independência do Brasil, sem grandes abalos, conservando-se a forma monárquica.

O 4° ATO JURÍDICO – ocorreu com a Independência trouxe avanços, e obrigou a promulgação da PRIMEIRA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA EM 1924.

A característica da monarquia brasileira, não era igual às grandes monarquias européias, pois não houve uma aristocracia de sangue. Ou seja, não havia uma nobreza com títulos e privilégios transmitidos por herança. Os títulos se esgotavam com a morte do titular, fosse ele barão, conde etc. Fato que veio a ajudar posteriormente, na proclamação da República.

O 5° ATO JURÍDICO - ocorreu com a promulgação da CONSTITUIÇÃO DE 1891

Assim 15 de novembro de 1889, os militares e as elites civis dos grandes estados, sob forte influência de idéias liberais, deram no Brasil um golpe de Estado, pelo qual se põe fim à monarquia, destituindo-se, por conseguinte o Imperador, proclamando-se uma República Federativa no Decreto n.1, redigido por Rui Barbosa criou-se a Constituição republicana de 1891

Houve uma descentralização dos poderes, e adotou-se o presidencialismo, e a divisão entre três poderes: o Executivo, o Legislativo e o Judiciário.

Porém sistema eleitoral era falho com voto não-secreto para homens acima de 21 anos e vetado às mulheres, analfabetos, soldados e religiosos. Determina a separação oficial entre o Estado e a Igreja Católica.

Mas esta carta magna estava fadada a ser varrido das nossas instituições, também por um movimento armado em 1930, quando então se fecha o período hoje denominado Primeira República.

O 6° ATO JURÍDICO - ocorreu com a promulgação da CONSTITUIÇÃO DE 1934

Após assumir o poder Getúlio não encontrava oposição, mas enfrentava problemas, das contraditórias correntes políticas e ideológicas que agitavam o cenário conturbado do mundo de após-guerra. Anarquistas, comunistas, socialistas liberais, cristãos, anticristãos, positivistas, corporativistas etc.

Por isso, a Constituição de 1934 teve vida efêmera, mas trouxe alguns avanços democráticos. Instaurou no país a democracia social com voto obrigatório e secreto a partir dos 18 anos e direito de voto às mulheres.

 Previa ainda a criação da Justiça Eleitoral e da Justiça do Trabalho o Ministério do Trabalho, a nacionalização das empresas, o salário mínimo, a limitação de lucros, o sindicalismo etc.

O 7° ATO JURÍDICO - ocorreu com a CONSTITUIÇÃO DE 1937

Getúlio Vargas transformou-se num líder poderoso e autoritário e em 1937 outorgou uma nova Constituição de, institucionaliza o Estado Novo e fortalece o Executivo, instituiu pena de morte, suprimiu a liberdade partidária, a prisão e o exílio de opositores, estabeleceu eleição indireta para presidente da República, com mandato de seis anos.

O 8° ATO JURÍDICO - ocorreu com a promulgação da CONSTITUIÇÃO DE 1946

Outrossim, com o fim da 2º Guerra em meados de 1945, crio-se o movimento democratizador de base popular que veio por fim na ditadura de Vargas.

As forças liberais e conservadoras anti-Getúlio, as pressões americanas, forçaram Getúlio iniciar a abertura política a Constituição de 1946 trouxe em seus dispositivos básicos: a igualdade de todos perante a lei, liberdade de manifestação de pensamento, a inviolabilidade do sigilo de correspondência, liberdade de consciência, de crença e de exercício de cultos religiosos, a liberdade de associação para fins lícitos, a inviolabilidade da casa como asilo do indivíduo, a prisão só em flagrante delito ou por ordem escrita de autoridade competente e a garantia ampla de defesa do acusado, a extinção da pena de morte e a separação dos três poderes.

Conseguimos com ela viver os primeiros anos de real democracia no Brasil que foi interrompida quando em 64, João Goulart resolveu que queria implantar reformas de bases no país, mas sofreu o golpe das forças conservadoras e militares que o forçaram a deixar o governo e implantaram o regime militar.

O 9° ATO JURÍDICO - ocorreu com a CONSTITUIÇÃO DE 1967/69

Onde os militares governavam através da emendas, Atos Institucionais e Complementares que foram Consolidadas e transformada na Constituição de 1967.

Esta significou um retrocesso à democracia, ela institui eleição indireta, perseguição política, etc... Mas o povo rompeu as barreiras da repressão, e veio para as ruas gritar pelas eleições diretas e pela via eleitoral, e o fim da ditadura, que só ocorreu no final da década de 80, com a convocação de uma assembléia Nacional Constituinte.

O 10° ATO JURÍDICO - ocorreu com a promulgação da CONSTITUIÇÃO DE 1988

Que culminou com nossa atual CONSTITUIÇÃO apelidada de “CADADÔ que estabeleceu o Direito de voto para os analfabetos; Voto facultativo para jovens entre 16 e 18 anos; Redução do mandato do presidente de 5 para 4 anos; Direito a greve; Liberdade sindical; Diminuição da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais; etc...

FINALIZANDO, Não, não estou em nada arrependido de ter perguntado, porque estamos aqui hoje, e tenho a certeza que nenhum dos agora doutores, estão arrependido de ter feito o curso de direito, e ter que usar roupas quentes agora.

Então quero que saiam daqui hoje como Colombo partindo do porto de Palos, TRISTE POR DEIXAR A SUA TERRA, MAS PRONTO PARA CONSTRUIR UM NOVO MUNDO.

E esperando que pelo menos, possa ver a todos os doutores nos corredores dos fóruns da vida, agradeço conclamando que todos tenhamos coragem de buscar coisas grandes, pois como disse o saudoso RUI BARBOSA

“A GRANDEZA DO HOMEM ESTÁ EM SUA DECISÃO DE SER MAIS FORTE QUE SUA CONDIÇÃO” SEJAMOS forte.

domingo, 13 de março de 2011

BRASIL UM PAÍS SEM DEFESA

Se a história tem mostrado alguma coisa, é que a guerra acompanha o homem como uma sombra. Seja religiosa, étnica, territorial ou não, a guerra entre dois ou mais grupos em nosso planeta é uma realidade consistente durante toda sua existência por milhares de anos. No século passado passamos pelas últimas duas grandes guerras mundiais, pois depois que inventaram a bomba atômica se houver uma terceira guerra mundial, não vai sobrar ninguém pra contar história.

Porém as covardias militares são incentivadas pelas maiores potências a todo o momento, de acordo com o interesse delas, ditadores são levados ao poder para manter a paz ou derrubados em nome da democracia.

O mundo todo está de olho nas nossas riquezas naturais (água, minérios, petróleo, Amazônia) e na descoberta do pré-sal, mas será que o Brasil tem como defender sua pátria e seu território do restante do mundo, se alguma potência mundial resolver tomar o que é nosso?

Será que apesar de nosso país ter sido comandado pelos ditadores militares por mais de 20 (vinte) anos, eles nada fizeram proteger nossas fronteiras?

Será que apesar de termos redemocratizado o país, há mais de 20 (vinte) anos, continuamos nosso país sem defesa?

O Brasil é um país que há 140 anos não guerreia com seus vizinhos, e se tivesse que guerrear diretamente com algum deles atualmente certamente ganharia.

Porém, haveria avarias grandes ao Brasil, principalmente por causa do sistema ineficiente de defesa das nossas forças armadas, agravada por termos Defesas Civis lentas ou inexistentes, para prevenir, alertar e diminuir os danos que seriam causados a população em geral num ataque rápido.

Ademais, em caso de invasão o Brasil precisaria de um bom ataque ou contra-ataque, que também fica prejudicado com o sucateamento das forças armadas e a falta do desenvolvimento bélico nuclear.

Assim, se quisermos virar potência temos que botar o dedo na ferida e rever nossos conceitos sobre desarmamento, pois qualquer país com as riquezas naturais do Brasil tem riscos reais de conflito, para aumentar o risco somos o terceiro país em numero de fronteiras e por causa do seu tamanho e economia, os países vizinhos e potências mundiais tem intenso interesse no nosso território e riquezas.
  
Hoje somos apontados como uma futura potência mundial, e neste universo competitivo, será que se algum dia esbarrarmos no interesse de alguma potência bélica, em especial nos interesses norte americanos, e estes entenderem que precisamos de um freio, financiando ou incentivando algum atrito de algum ou vários de nossos 11 vizinhos, a invadir nossas fronteiras, para dividir nosso país, como ocorreu na Coréia hoje dividida em dois super armados países, graças à guerra fria.

Para piorar a situação, com o fim da 2° guerra, iniciou-se a guerra fria entre comunistas e capitalistas que disputavam a tapa territórios de influência, e assim sendo o mundo entrou num crescente numa corrida bélica com onde dezenas de países do mundo desenvolveram bombas atômicas, silos de mísseis, submarinos nucleares, satélites espiões, mísseis intercontinentais, material bélico médio e pesado, porta aviões descomunais, caças à jato em mach 1, 2 e 3 , altos gastos com forças armadas e etc, num firme duelo de exibição de poderio, o mundo se armou, mas a América do Sul e África dominadas por ditadores ridículos não acompanharam a evolução mundial e hoje estamos extremamente vulneráveis, embora tenha acabado a guerra fria com a dissolução da URSS.

Hoje assistimos o sucateamento progressivo do “atual” arsenal brasileiro, vimos o fechamento de indústrias bélicas e de outras indústrias complementares, por diversas injunções políticas, de lesa-pátria e de interesses econômicos inconfessáveis, desdobrando-se num perigoso e temerário desguarnecimento do território brasileiro.

Se fizermos uma auditoria tecnológica e operacional, dentro do nosso arsenal de suporte, iremos constatar que muitos dos itens desse arsenal estão comprometidos em suas funções críticas básicas e em grande parte dos armamentos, das viaturas, aviões e navios encontraremos mais de 30 a 40% dos itens operacionais básicos com pendências de manutenção, descalibrados, improvisados ou mesmo definitivamente “fora de operação”. Praticamente “fora de combate” e incapazes de oferecer, em boa parcela, o poder de guarnição que a riqueza natural, mineral e humana, que a nação brasileira merece em face do seu altíssimo valor local e global.

Assim temos investir pesado para garantir a cobertura integral do território, estabelecendo correlação com a pronta mobilidade militar em toda nossa vasta extensão territorial de fronteiras e costas marítimas, e estabelecer proteção por ar, solo e mar – com equipamentos de vigilância, detecção e interceptação, suporte de artilharia e infantaria para defesa e ocupação de espaços em frações de tempo exeqüíveis, capacidade de barreira à entrada e invasão de forças inimigas e etc.

Só após isso, acreditaremos na viabilidade brasileira para o conselho de segurança da ONU.

SAIBA MAIS:

O temerário desguarnecimento nacional é o da “cobertura de fronteiras” onde encontramos um padrão mundial de 1,1 a 1,7 soldados por 10 km de fronteira, consistentemente observado pela defesa dos países desenvolvidos, tomando-se todo o efetivo das forças armadas e dispondo-o ao longo das fronteiras nacionais. O Brasil apresenta esse valor em torno de 0,20 soldados por 10 km de fronteira – ou somente 1 soldado a cada 50 km de fronteira. Essa relação representa a disposição militar em guarnecer às fronteiras em momentos de emergência, concentrado ou espalhado ao longo de um setor de defesa. É uma espécie de densidade linear que caracteriza o poder de proteção em termos de “cinturão ou barreira”, onde uma vez rompida não haverá efetivo de defesa em retaguarda, deixando o invasor ou o inimigo penetrar território adentro.

A malha rodoviária tem a ver com o significado de mobilidade e presença local das forças armadas terrestres e com o seu deslocamento ao menor tempo possível, de modo confiável e capaz de conferir poder de ocupação geográfica e de sustentação de uma defesa quase que “corpo a corpo” – infantaria, engenharia e artilharia com apoio aéreo e de suas logísticas correspondentes.

A mobilidade implica em “detectar rápido a presença inimiga - sair rápido – deslocar rápido o efetivo e o arsenal de suporte – ocupar rapidamente os setores de defesa - fazer a confrontação de modo produtivo”. Isso requer a existência de uma malha que muito embora fosse planejada para a fruição do sistema econômico do país, fosse capaz de conceder possibilidades de deslocamentos multidirecionais dentro da “célula de defesa” em km2. Seria a disposição de “tantos km de rodovias por km2 de extensão territorial”. Um forte reforço ao conceito da “célula de defesa”. Se a mobilidade terrestre for restritiva por uma malha pobre, deverá haver um forte apoio de vigilância, de defesa aérea e de lançamento de militares pára-quedistas para o bloqueio de curto prazo do agente invasor, antes da chegada das unidades de ocupação e defesa local.

O Brasil tem 0,18 km de rodovias por km2 ao passo que o padrão médio revelado fica na faixa de 1,0 a 2,7 km de rodovias por km2, para os países europeus do presente estudo. A frança um dos modelos de base tem 2,74 km de rodovias por km2 e os EUA – país continental – têm 0,66 km de rodovias por km2. A célula com 1 km2 – um quadrado com 1 km de lado – possui diagonal de 1,415 km ligando 2 pontos opostos de encontro dos lados do quadrado e um perímetro de 4,0 km – ou características dimensionais da célula.

O arsenal de suporte do Brasil está extremamente subdimensionado para a sua extensão territorial. Se tomarmos em consideração que para a vigilância e o patrulhamento de espaço aéreo utilizando 1000 km2, teríamos a necessidade de pelo menos 2.135 aviões para compormos um bom sistema de proteção aérea. Mas a aeronáutica brasileira tem apenas 759 aviões ou cerca de 35% se adotada a premissa de 4 (quatro) megacélula.

O espaço aéreo total do país é de 11.325.000 km2 – sendo 8.547.000 km2 de terra e 2.778.000 km2 de área marítima - dando se apoio à marinha do brasil. E a marinha tem apenas 136 navios em seu arsenal e que precisaria de pelo menos 2.778 navios especializados para a cobertura naval de vigilância e patrulhamento de ilhas e da extensão costeira brasileira usando o conceito de “mar das 200 milhas”.

O exército como a força de base terrestre tem 4.591 itens em seu arsenal e que pelo menos deveria ser 30,67 vezes superior – ou cerca de 140.800 itens especializados.

A siderurgia e a metalurgia como indústrias de base revelam ser o conjunto de tecnologias de maior suporte à indústria de armamento nos países europeus. O padrão médio de “estacionamento anual de aço – tonelada – por km2” tem concentração na faixa de 40 a 180 toneladas por km2. O Brasil estaciona cerca de 1,8 toneladas de aço por km2 – ano, reforçando a completa ausência de vocação industrial armamentista, revelando pouca iniciativa para desenvolver seus recursos militares. A frança estaciona cerca de 42,6 toneladas de aço por km2 - ano. E os EUA cerca de 10,8 toneladas de aço por km2 – ano.

Mas uma corrida armamentista para o Brasil, com uma vexaminosa coleção de problemas sociais e de administração pública temerária, ficaria inviável face aos custos envolvidos.

próximas guerras poderão ser feitas para a posse da água – temos o aqüífero guarani e um dos maiores percentuais de água doce do mundo.


A seguir esta a lista das maiores forças armadas do mundo segundo especialistas:

1 - Estados Unidos (AMERICA DO NORTE)
EFETIVO: 1 414 000 soldados
GASTO MILITAR ANUAL: 329 bilhões de dólares (1 138 dólares por habitante)
ARMAS NUCLEARES: sim
Possuem uma dúzia de porta-aviões gigantes, a maioriade propulsão nuclear. O país conta ainda modernos armamentos operados por computadores e guiados por satélites.

2 - Rússia (ASIA/EUROPA)
EFETIVO MILITAR ATIVO: 1 037 000 soldados
EFETIVO MILITAR RESERVA: 2 400 000 soldados
GASTO MILITAR ANUAL: 48 bilhões de dólares (333 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim
O maior herdeiro da ex-URSS possui exército numeroso e pesquisa militar de ponta. A vocação por números astronômicos diminuiu: durante a Guerra Fria, a URSS chegou a ter 5,3 milhões de soldados — um recorde — e produziu mais de 70 mil tanques das séries T-54/T-55/T-62. Hoje possui ainda alguns dos melhores equipamentos militares do planeta.

3 - China (ASIA)
EFETIVO: 2 270 000 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 48 bilhões de dólares (37 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim
O país mais populoso da Terra conta com bom número de armas nucleares e sempre teve Forças Armadas numerosas, mas o nível pouco sofisticado de sua indústria não permitia equipar as tropas com armas de última geração. Isso mudou recentemente: o salto econômico e a relativa abertura política das últimas duas décadas levaram a China a investir na modernização do arsenal.

4 - França (EUROPA)
EFETIVO: 260 400 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 38 bilhões de dólares (636 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim 
Para se proteger da ameaça comunista na Guerra Fria, os franceses criaram uma força nuclear própria com os três meios clássicos de lançar armas atômicas: mísseis em terra, em submarinos e em aviões. A indústria de defesa é uma das principais da Europa, produzindo tanques de ótima qualidade, como o Leclerc, e aviões clássicos como os das séries Mirage.

5 - Reino Unido (EUROPA)
EFETIVO: 210 400 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 35 bilhões de dólares (590 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim 
Até a Segunda Guerra (1939-1945), a Grã- Bretanha era a maior potência naval da Terra. Depois do conflito, a Marinha Real encolheu, mas ainda é uma das principais do mundo. O Exército sempre foi pequeno, mas é um dos mais profissionais do planeta, bem equipado com tanques, blindados de transporte de pessoal e uma parafernália de mísseis.

6 - Coréia do Norte (ASIA)
EFETIVO: 1 082 000 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 4,7 bilhões de dólares (214 dólares por habitante)
ARMAS NUCLEARES: sim 
Assolado pela pobreza e pela fome, este país sustenta um dos estados mais militarizados do planeta. Envolvidos em disputas de território com a Coréia do Sul desde a década de 40, os comunistas do Norte contam com tropas numerosas com muito armamento convencional. Nas últimas décadas, o país desenvolveu tecnologia para produzir armas nucleares.

7 - Índia (ASIA)
EFETIVO: 1 298 000 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 13 bilhões de dólares (13 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim 
O segundo país mais populoso do planeta sempre esteve em briga com seus vizinhos muçulmanos. Hoje, o maior rival é o Paquistão, com quem disputa terras na região da Caxemira. As aguerridas tropas indianas estão entre as mais bem equipadas do Terceiro Mundo. Além de muitos soldados, a Índia tem armas nucleares e mísseis para transportá-las.

8 - Paquistão (ASIA)
EFETIVO: 620 000 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 2,5 bilhões de dólares (17 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: sim
A maior potência militar muçulmana tem economia e população inferiores às da rival Índia, mas, para criar um "equilíbrio de terror" no sul da Ásia, o Paquistão também investiu em armas nucleares. Pouco se conhece sobre as armas atômicas ou sobre o tamanho do arsenal do país. Mas a existência da bomba dos dois lados da fronteira tem forçado Índia e Paquistão a uma convivência tensa — e "pacífica", na medida do possível.

9 - Coréia do Sul (ASIA)
EFETIVO: 686 000 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 12 bilhões de dólares (266 dólares por habitante) 
ARMAS NUCLEARES: não 
Graças à proteção dos Estados Unidos, o país atingiu níveis econômicos, científicos e tecnológicos muito superiores aos do vizinho do norte. Por causa da crise com os comunistas, a Coréia do Sul mantém Forças Armadas poderosas em prontidão na fronteira, embora não tenha armas atômicas. O equipamento é de alta qualidade, comprado dos americanos ou desenvolvido localmente com ajuda ianque.

10 - Israel (ASIA)
EFETIVO: 161 500 soldados 
GASTO MILITAR ANUAL: 9,4 bilhões de dólares (1 499 dólares por habitante)
ARMAS NUCLEARES: sim
Pequeno e pouco populoso, Israel se envolveu em conflitos com os vizinhos árabes e resolveu se armar até os dentes. Para compensar a inferioridade numérica, os israelenses optaram por qualidade: suas tropas estão entre as mais bem treinadas da Terra, a Força Aérea.

África do Sul chegou a desenvolver armas nucleares, mas desmontou seu arsenal antes de aderir ao TNP.

O Irã e a Síria acusados de terem programas de armas nuclear.

O Brasil é um dos vários países que têm renegado o direito a ter armas nucleares, sob os termos do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, mas possui muitas das principais tecnologias necessárias para produzir esse tipo de arma.

MAIOR EXÉRCITO DA AMÉRICA DO SUL:

BRASIL
Efetivo: 287 600 soldados
Gasto militar anual: 9,6 bilhões de dólares (55 dólares por habitante)
Armas nucleares: não
Não dá para cravar uma posição para o Brasil no ranking mundial de exércitos, a única certeza é que não chegaríamos ao Top 10, mas dá para fazer algumas comparações. Numericamente, nossas tropas são as maiores da América do Sul. Tecnologicamente, somos semelhantes aos vizinhos. Com fronteiras bem definidas, não há grandes rivalidades regionais.