MUDOU PARA

MUDOU PARA
www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/
www.ralphlichotti.blogspot.com/

quinta-feira, 31 de março de 2011

O golpe foi no Dia da Mentira

O golpe foi no Dia da Mentira, diz a ABI 
A ABI reafirmou nesta segunda-feira, 31 de março, seu entendimento de que “o movimento militar que derrubou o Presidente constitucional João Goulart em 31 de março de  1964 não foi uma ‘revolução democrática’, como assoalham ainda agora seus defensores,  que se excedem em impropriedades de  caráter político e até cronológico: a sublevação vitoriosa não passou de um golpe de Estado, para cuja deflagração se associaram civis e militares, e  não ocorreu em 31 de março, e sim em 1º de abril, o Dia da Mentira”, assinala declaração divulgada pela Casa.

A ABI  afirma também que em torno desse movimento se criou “desde as primeiras horas de sua eclosão  um cortejo de falsificação histórica, para o qual contribuíram tanto os militares rebelados, com suas declarações hipócritas de respeito à ordem constitucional,  como os líderes civis que os insuflaram, os quais pretendiam ocultar e dissimular a verdadeira natureza do golpe”, diz a declaração, cujo teor é o seguinte:

“A Associação Brasileira de Imprensa não pode eximir-se do dever cívico e ético de contestar a atoarda feita por setores saudosos da ditadura em torno em torno do
movimento militar que derrubou o Presidente constitucional João Goulart em  31 de março de 1964, que não foi uma ‘revolução democrática’, como assinalam ainda agora seus defensores. Estes  se excedem em  impropriedades de caráter político e até
cronológico: a sublevação vitoriosa não passou de um golpe de Estado, para cuja deflagração se associaram civis e militares, e não ocorreu em 31 de marco, e sim  em 1º de abril, o Dia da Mentira.

É necessário sublinhar  que se criou desde as primeiras horas de  sua eclosão um cortejo de falsificação histórica, para o qual contribuíram tanto os militares rebelados, com  suas declarações hipócritas de respeito à ordem constitucional, como os líderes civis que os insuflaram, os quais pretendiam ocultar e dissimular a verdadeira natureza do golpe. .
Esses defensores da ilegalidade então cometida pagaram caro por seu desapreço às instituições democráticas, já que seus cúmplices militares tomaram o gosto de poder e
o tornaram privativo  dos detentores de fardas e alamares durante longo período, entre 1964 e 1985.

O que se viu nas duas décadas que se seguiram foi o arbítrio institucionalizado, com as cassações de mandatos e de direitos políticos de parlamentares, líderes sindicais e de lideranças intelectuais; a suspensão de eleições e sua substituição por formas   viciadas e antidemocráticas de provimento de cargos eletivos;a generalização das prisões sem  mandado judicial nem nota de culpa; a imposição do exílio, da demissão imotivada e do desemprego a milhares de brasileiros que até agora esperam por reparação e  desculpas por parte do Estado nacional; a transformação da tortura e do assassinato em práticas de governo; o desaparecimento e ocultação de cadáveres de vítimas da ditadura; a censura à imprensa e aos meios de comunicação em geral; a proibição de livros, filmes e peças teatrais. 

Para coroar esse conjunto de indignidades, o regime militar ocultou ou destruiu os registros  das torpezas praticadas pelos agentes do Estado, civis e militares, cuja revelação se impõe como requisito essencial para a construção de uma sociedade efetivamente democrática no País.

Rio de Janeiro, 31 de março de 2011. 

(a) Maurício Azêdo, Presidente.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário