MUDOU PARA

MUDOU PARA
www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/

www.ralphlichotti.blogspot.com/
www.ralphlichotti.blogspot.com/

terça-feira, 26 de abril de 2011

Eduardo Galeano • Sangue Latino

Compartilho aqui uma entrevista com o escritor uruguaio Eduardo Galeano, autor de, entre outros, ‘As veias abertas da América Latina’.



O medo ameaça: se você ama, terá Aids.
Se fuma, terá câncer.
Se respira, terá contaminação.
Se bebe, terá acidentes.
Se come, terá colesterol.
Se fala, terá desemprego.
Se caminha, terá violência.
Se pensa, terá angústia.
Se duvida, terá loucura.
Se sente, terá solidão.
Em um dos meus livros eu citei uma frase dele, dizendo que era dele e as pessoas atribuem ela a mim. Pobre Fernando, mas é dele. Estávamos juntos em Cartagena das Índias, a belíssima cidade colombiana, e fizemos uma palestra juntos na universidade. E no final, um dos estudantes se levantou e perguntou pra ele, não para mim: “Para que serve a utopia?”. E ele respondeu da melhor forma, eu nunca escutei uma resposta melhor. Ele disse que se fazia essa pergunta todos os dias, ‘para que servia a utopia’, se é que a utopia servia para alguma coisa. Ele disse: “Vejam bem, a utopia está no horizonte, e se está no horizonte eu nunca vou alcançá-la porque, se caminho dez passos, a utopia vai se distanciar dez passos. E se caminho vinte passos, a utopia vai se colocar vinte passos mais além, ou seja, eu sei que jamais vou alcançá-la. Para que serve? Para isso, para caminhar”.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

OUÇA ENTREVISTAS COM O DR. RALPH NA RADIO BAND - PISO SALARIAL

ENTREVISTAS NOS PROGRAMAS DO SINDICATO DOS CORRETORES DE IMÓVEIS DO RIO DE JANEIRO. PLANTÃO IMOBILIÁRIO. RÁDIO BAND.
Click e ouça
http://www.sindimoveisrio.com.br/ver.php?secao=entrevista

Entrevista com o Dr. Ralph Lichote esclarece sobre o piso salarial para corretor de imóveis.


OUÇA MAIS No Programa do dia 04/06/2011 e no Programa do dia 30/04/2011
http://www.sindimoveisrio.com.br/

"PROMESSA DE CAMPANHA É COMPRIDA E CORRETOR PASSA A TER PISO SALARIAL"
Alerj aprova piso para Corretores de Imóveis
O Presidente Egydio Andreza, com apoio dos deputados Gilberto Palmares, Paulo Melo, Paulo Ramos, o advogado Ralph Lichote, e Bartolomeu de França (UGT) conseguiram aprovar o piso de R$ 860,14, nesta terça-feira 12 de abril para categoria dos Corretores de Imóveis. O piso passa a valer apartir do dia 1º de abril.

O Sindimóveis Rio Sindicato dos Corretores de Imóveis do Rio de Janeiro sai na frente mais uma vez, pois o Rio de Janeiro e o único estado da federação com piso salarial para categoria.

Após anos de luta o corretor carioca enfim é valorizado e reconhecido no mercado de trabalho.
Esta vitória e de todos que participaram e acreditaram nessa luta.
Procure o sindicato para maiores informações.

FONTE SITE DO SINDICATO

terça-feira, 19 de abril de 2011

Multas contra ônibus NÃO PODE. QUEM ESTÁ LEVANDO?


ENQUANTO MILHÕES DE MULTAS CHEGAM EM NOSSAS CASAS TODOS OS DIAS, AS POUCAS MULTAS QUE AS EMPRESAS DOS BARÕES DO TRANSPORTE RECEBEM SÃO DEIXADAS DE LADO.
CONSOMEM NOSSO DINHEIRO COM CENTENAS DE AGENTE DE TRANSITO E QUANDO ESTE FAZEM SEU TRABALHO VIRA PIZZA. 

As empresas de ônibus que operam no município do Rio devem ganhar um reforço extra em seus caixas. Embora os fiscais de transporte urbano da prefeitura estejam aplicando multas nas ruas ao ver irregularidades nos veículos, a Secretaria municipal de Transportes não emite nem envia, desde outubro, as notificações para os quatro consórcios aos quais as empresas estão ligadas. Resultado: as multas estão caducando. Na ponta do lápis, uma economia — segundo dados oficiais — de mais de R$ 100 mil para os empresários do setor.
O imbróglio acontece desde outubro, quando entrou em vigor o novo Código Disciplinar do Serviço Público de Transporte de Passageiros e as linhas de ônibus começaram a ser operadas por quatro consórcios (em vez de empresas separadamente), que ganharam uma licitação da prefeitura. Diante das novas regras, o sistema para cadastramento das infrações teria que ser modificado, permitindo a inclusão de multas direcionadas aos consórcios, e não mais às empresas separadamente.
Como a mudança não foi feita até hoje, os autos de infração acumulam-se na Gerência de Fiscalização da secretaria. O problema é que o código disciplinar estabelece que as notificações sejam expedidas num prazo de até 30 dias após a data da infração. Como isso não vem acontecendo, quando receberem as notificações, as empresas poderão, nos recursos, alegar prescrição.
Procurada, a secretaria confirmou o problema e admitiu que as multas estão vencidas. Mas o secretário da pasta, Alexandre Sansão, afirmou, por sua assessoria, que as multas terão validade. A secretaria informou que, em breve, vai prorrogar os prazos previstos no Código, retroagindo os novos critérios até outubro. Disse ainda que só percebeu o problema depois e que, de outubro a fevereiro, foram lavrados 214 autos de infração.
— Essas multas vão ficar sem validade. Se você não recebeu dentro do prazo, entra com recurso e não paga — disse um funcionário da Gerência de Fiscalização à reportagem, tomando o jornalista por um representante de consórcio.
Acauteladas
Embora a prefeitura diga que as multas estão “acauteladas”, até que um grupo de trabalho já criado solucione o impasse, especialistas em Direito Administrativo dizem que qualquer legislação criada a partir de agora não poderá fazer com que os novos prazos (entre a infração e a expedição) retroajam até outubro.
— A secretaria pode até aumentar os prazos daqui para a frente. Para trás, de jeito nenhum — disse o advogado Luis Paulo Viveiros de Castro. Esta tese também é defendida pela professora de Direito da Uerj Patrícia Ferreira Batista.
A Secretaria de Transportes disse que o grupo de trabalho tem um escopo maior: além de solucionar o impasse, pretende rever todos os procedimentos relativos às multas.
Segundo a Secretaria municipal de Transportes, 147 ônibus foram multados de outubro a dezembro (R$ 71 mil). Entre janeiro e fevereiro, 67 (R$ 37 mil). Os dados a partir de março ainda não foram consolidados. No site da secretaria na internet, consta que a frota municipal de ônibus é de 8,7 mil veículos.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

ALERJ APROVA PISOS REGIONAIS




ALERJ APROVA PISOS REGIONAIS





LICHOTTI & MADEIRA DE LEI ADVOGADOS ASSOCIADOS lutando junto com Bartolomeu (REPRESENTANTE DA UNIÃO GERAL DOS TRABALHADORES UGT, DIEGO (PRESIDENTE DO SINDICATO DOS FISIOTERAPEUTAS E TERAPEUTAS OCUPACIONAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E ESPIRITO SANTO), SHEILA (PRESIDENTE DO SINDICATO DOS FONAUDIOLOGOS, ANDREZA (PRESIDENTE DO SINDICATO DOS CORRETORES DE IMÓVEIS DO RIO DE JANEIRO) conseguiu apoio de diversos deputados, que apresentaram emendas e conseguiram aprovar a inclusão de diversas categorias importantes na Lei que institui o Piso Salarial no Estado do Rio de Janeiro.

Na quarta faixa do piso, entre outros, foi incluído, os cabineiros de elevador, que passarão a receber R$ 686,34. Conseguimos incluir ainda, os Técnicos de Radiologia e TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS (CORRETORES DE IMÓVEIS) na sexta faixa, de R$ 860,14.

Mas a maior vitória de nossa luta foi integrar na última faixa de R$ 1.630,99, os Psicólogos, FONOAUDIÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E TERAPEUTAS OCUPACIONAIS, entre outros na faixa de nível superior anteriormente dedicada apenas a administradores, advogados e contadores.

A Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) aumentou em 3% o percentual de reajuste dos pisos regionais do Estado do Rio de Janeiro, o que beneficiará mais de dois milhões de trabalhadores de todas as áreas.

O acréscimo eleva o percentual dos inicialmente propostos 6,86% para 9,86%, o que fará com que nenhum piso no estado seja inferior aos R$ 600,00, como defendia muitos parlamentares.

Para minimizar o impacto para os empregadores, o Parlamento acabou com a retroatividade do reajuste a janeiro.

A proposta aprovada na forma de um substitutivo ao projeto de Lei 189/11, nesta terça-feira (12/04), vale a partir de 1º de abril. “Além de elevar o percentual em mais 3%, incluímos todas as categorias pleiteadas pelos parlamentares. Depois de termos observado tanta dificuldade na aprovação do mínimo nacional de R$ 545,00, chegamos ao estado do Rio a um patamar mínimo de R$ 607”, salientou o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Por Ralph Anzolin Lichote - ADVOGADO E JORNALISTA